SILVIA REGINA LIMA
Escrevo e me transporto para dentro daquilo que escrevi.
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos

DO QUE O SER HUMANO É CAPAZ:

Se a Rainha Elizabeth pudesse, ela também diria que 1989 foi "ano terrível" para muitos de nós... Começou muito mal esse ano ruim, pois no dia Mundial da Paz, aconteceu o naufrágio do barco Bateau Mouche matando 55 pessoas, dentre elas a atriz Yara Amaral, tudo isso numa série de lamentáveis erros humanos. Os donos do barco foram condenados, mas fugiram do país...

Naji Narras quase quebrou as bolsas do Rio e de São Paulo.... Na China, a juventude foi às ruas para se manifestar e na Praça da Paz Celestial houve banho de sangue devido à decretação da Lei Marcial, pois o governo comunista lançou o exército nas ruas. O número de mortos divergiu de 800 a 2600. Uma imagem marcou os protestos: ali diante de uma fila enorme de tanques, um homem de camisa branca parado em frente a um deles - essa cena capturada por um fotógrafo correu o mundo.

Faustão, mala sem alça, se tornou dono das tardes de domingo na Globo até hoje... e o bispo Edir Macedo comprou a Rádio e Tv Record...  Nossas 'diretas já' terminariam com a luta pelo poder entre Collor em Lula depois de 29 anos sem eleições... obrigando-nos a uma escolha pavorosa... ou a anular nosso voto como eu fiz, confesso. Na Inglaterra, 96 torcedores morreram esmagados ou pisoteados no estádio superlotado de Hillsborough e no Brasil um vôo cargueiro caiu sobre uma favela matando mais de 25 pessoas.

Em 89 morreram Salvador Dalí, pintor espanhol, o ex piloto Chico Landi, a atriz Dina Sfat, a cantora Nara Leão, o cantor Raul Seixas, o ator Lauro Corona, o compositor Anísio Silva, a atriz Lucile Ball, Samuel Beckett dramaturgo e escritor irlandês, Chocolate, comediante,  Daphne du Maurier, escritora britânica , Hiroito, imperador do Japão, Luiz Gonzaga do Nascimento, o Rei do Baião, lexicógrafo Aurélio Buarque de Holanda, criador do famoso dicionário Aurélio e a atriz Betty Davis entre outros.

...
Se tudo isso não bastasse, na nossa vida pessoal também vários fatos concorreram para ser um ano lamentável e doloroso, digno de ser apagado, esse 1989..... creio, analisando agora com bem mais calma e frieza, que a grande Bruxa Malévola estava mesmo à solta, pronta pra atacar os menos avisados, os espíritos confiantes, os seres inocentes que nunca estão preparados para as armadilhas e ardis de que o Mal é capaz de engendrar tentando se aproximar das pessoas e de suas famílias... de suas vítimas escolhidas a dedo e causar-lhes imensos danos.

Um verdadeiro carcará... .um verme que usava de mil  "expedientes" aparentemente inocentes, tais como pedir uma indicação pra colocar os filhos na mesma escola que os seus, que 'aparecia' em todos lugares que você frequentava assim como ir no seu distante supermercado, na pizzaria de sua preferência, na sua rotisserie... chegando a ir até mesmo ao mesmo centro espírita que vc trabalhava no outro lado da cidade... na mais absoluta cara de pau!!! ....  e solicitar diversos serviços domésticos para a mãe (que horror usar até a mãe nessa baixaria toda) e por aí afora.... sempre num assédio forte e direto.  Eu e Luis, resolvemos então, de comum acordo, mudar de cidade, mas até aqui  a peste apareceu... no super-mercado, na festa da uva... e depois, pasmem, quando Luiz morreu, até no nosso cemitério!  Coisa tenebrosa! Coisa de filme de gente doente mesmo!

Estava eu - hoje - arrumando algumas gavetas e baus, quando encontrei uma carta (veja-a abaixo)
que eu escrevi na distante e dolorosa noite de 4 de junho de 1989.  Na verdade, isso foi somente um inútil desabafo meu na época ao encontrar uma carta anônima "plantada" na caixa postal do meu prédio (vejam só até onde vai a loucura e a maldade humana - uma maldade sem nome e tão indigna que sequer a divindade teria capacidade de perdoar).

Eu, meu Luiz e meu menino João Paulo, todo contente com sua festinha que estava se iniciando já que ele fazia 4 anos naquele exato dia, descemos pra receber uns amiguinhos pra festinha dele e aproveitamos pra pegar a correspondência na caixa que ficava ali no térreo.

Qual não foi o choque que tomei ao ver um bilhete
dirigido a mim contendo uma acusação terrível e malígna. Um "presentinho" que me deixaram ali... Uma pessoa muito baixa, se dizendo "minha amiga",  me informava (com malígno prazer) o que ela tinha 'visto' (sic). Prefiro nem repetir as tais palavras aqui, pois elas pingam seu veneno e seu fel até hoje e não quero me sujar novamente com o pecado alheio, mas desejo, sim, testemunhar aqui que não sei sei irei esquecer  algum dia o que se seguiu a seguir:

Comecei a chorar ali mesmo, Luiz ficou indignado e possesso com aquele pedaço de papel nojento amassado em suas mãos; meu menino arregalou os seus pequenos olhos e se assustou terrivelmente com a mudança que sentiu no ar e em nossas faces. Ele ficou com medo e desapontado em vez de feliz.

Ah! ...    não foi possível manter a festinha que começava, não foi... e eu fiquei devendo isso ao pequeno e inocente menino que era meu filho então... apenas 4 aninhos....  não pude suportar aquilo tudo que a maldade alheia me enviara através de um covarde e vil anonimato e a festa se desfez praticamente sozinha... sem clima, sem felicidade, sem alegria, sem a beleza e o colorido das bolas e a doçura dos doces que eu fizera com tanto amor para ele.

Como, em nome de Deus, a gente perdoa uma pessoa tão horrorosa capaz de fazer isso com outras? De estragar até a festa de um menininho escondendo-se assim atrás de um papel sujo e mau? Eu sei bem quem fez isso, gente ... e desejo que ela se lembre todos os dias das pessoas que enganou, todas elas, e a quem mentiu e humilhou... mas eu quero mais ainda que ela se recorde especialmente desse menininho puro e doce, meu filhinho, que não teve sua sonhada festinha! Que lhe pese para sempre a tristeza que causou também aos outros irmãos, em toda a nossa família, em minha sogra querida e em nossos amigos. Todos ficaram pasmos e se foram. *** Em nome de que você fez isso, naja? Pra ser feliz sobre a desgraça alheia? Minha nossa.... que pobreza de espírito...  veja o que fez e viva bem com isso se vc puder! E se fosse com os seus filhos que isso acontecesse, criatura do Mal ... você  "ainda" acharia lindo o que fez? Na época, vc nem sem lembrou deles, os seus filhos... que dirá dos meus!!! Vc só queria se dar bem, né? E se eles, seus filhos, pagarem agora pelo mal que vc fez a TODOS? 
Há a Lei do Retorno!

Jamais você poderá devolver isso a ele, pessoa má! ...nem enxugar todas as lágrima que derramei...  você é uma pessoa horrível (que coisa mais feia essa pessoa, deus do céu - tanto por fora: ficou um verdadeiro tribufú feio, feia mesmo (segundo meu filho mais velho)  quanto é muito feia por dentro : um pavor, uma naja peçonhenta em forma de gente como todos podem sentir ... ***  ah! e eu gostaria de já poder dizer a todos aqui no Recanto das Letras esse nome, dizer a todos os meus amigos - pois até aqui no Recanto você me seguiu!!!  Acreditem!...  queria alertá-los para que saibam quem de fato é essa "pessoa" e falar sobre tudo o ela que nos fez, para que todos possam se defender de sua falsa aparência de idoneidade, de sua falsa tristeza e de sua falsa aparência de gente boa e sensível...  e que a vil pessoa ainda continua sem um pingo de vergonha naquela cara de bruxa pelo Mal que fez a tanta gente!!! ... porém, quem sabe um dia eu revele mesmo tal nome, mostrando a esta comunidade de poetas e escritores sensíveis quem é quem aqui no site.... está até fazendo cócegas na minha garganta essa vontade.

E pior: como é lamentável uma pessoa que ainda assedia até os pobres mortos (com seus escritos e pedidos) já que eles nem sequer podem mais se defender ou fugir do passado...  afff... tem espíritos que nem sequer encontram o DIREITO de ficarem apenas mortos e descansarem em PAZ de fato, pois os indignos vivos nunca os deixam evoluir, se ainda ficam evocando e puxando os coitados aqui pra baixo - aqui para esse planeta de sofrimentos e de expiação .... ai ai...depois ainda dizemos que são os mortos que nos assustam,  mas somos nós que os parasitamos... feito vermes, feito carcarás... Sai de retro! Mortos não precisam de flores sobre suas sepulturas, viu?
E qualquer bom cristão sabe disso muito bem.... ele precisam de respeito e de paz (e os que ficaram aqui também... pois eu e meus filhos merecemos, pelo menos agora, um mìnimo de seu respeito, coração negro!


Coloco aqui a carta que escrevi em 1989 do jeitinho que estava guardada, amarelada pelo tempo... e digo aos meus leitores queridos: perdoem o meu desabafo, não costumo fazer isso, mas escrever ainda é a melhor saída para deixar a nossa alma mais leve de seus fardos e dos DANOS que nos causaram e às nossas famílias.

Somente um conselho:  Nunca escrevam atrás do anonimato!!! ... assumam suas letras, assumam o que dizem... deixem as pessoas terem uma oportunidade de se defender, de entender, de saberem a verdade... pois é terrível termos que ler algo que não podemos responder a ninguém...i sso vale aqui no Recanto também, tantos Fakes que agredim os poetas e escritores escondidos e impunes.... e foi por isso eu o fiz hoje aqui e agora, tantos anos depois dessa INDIGNIDADE e VILANIA que nos fizeram, a mim e à minha pequena família. E agora estou livre disso.


A carta que eu escrevi depois de ler a Carta anônima que essa 'Naja Branca' me escreveu :




Repetindo aqui o final da carta acima:
Ao tempo e a Deus, a lei do Retorno....
pois 7 são as abominações que aborrecem a Deus:
a)Olhos altivos
b)Língua Mentirosa
c)Mãos que derramam sangue Inocente
d)Coração que maquina Malvadíssimos Projetos
e) Pés prontos para correr ao Mal
f)Testemunha que profere Mentiras
g) Pessoa que semeia Discórdia entre seus irmãos

P - 16 - 6




.


 
SILVIA REGINA COSTA LIMA
Enviado por SILVIA REGINA COSTA LIMA em 25/08/2014
Alterado em 28/01/2015
Copyright © 2014. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários