SILVIA REGINA LIMA
Escrevo e me transporto para dentro daquilo que escrevi.
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos

 MÃE

A palavra é pequena:
às vezes meio brava -
ora como mel, serena.
Quase sempre é clara
e, algumas vezes, rara
se ela já se foi... partiu
 e nunca mais nos sorriu.

Palavra de sentimento,
ela vem solta no vento,
assim como um alento,
no campo ou na cidade
(carregando a saudade)
nas horas de desencanto
ou nas de plena alegria.
...
E não houve um só dia
que por mim não orou,
a nosso Deus implorou,
 que de mim não cuidou.

Sinto que devo tudo a ela.
Sei que entre tantas flores
que colorem  nossa Terra:
no jardim, na rua, à janela
- foi a mais bonita do ramo.


- Minha Mãe, eu te amo!

Silvia Regina Costa Lima

10 de Maio de 2008

Minha Mãe Antonieta partiu há alguns anos, mas jamais morreu em meu coração.

SILVIA REGINA COSTA LIMA
Enviado por SILVIA REGINA COSTA LIMA em 11/05/2018
Alterado em 15/05/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários